quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Final de Ano!

Final de ano é sempre uma época bem corrida pra mim, mas nada se compara ao que está acontecendo agora. Simplesmente não tenho data para parar de trabalhar e tirar uns dias de descanso. 

Este aqui foi um dos últimos projetos que entreguei este ano. A reforma começa em janeiro e eu estou super ansiosa para ver o trabalho sair do papel. Do outro lado (que não aparece nesses meus desenhos) ainda vamos ter uma mesa bem grande para refeições. 


Além das questões profissionais, ainda tenho os projetos aqui de casa que adoro fazer. Com tanta correria, mal sobra tempo pra isso e eles estão praticamente parados. E também existe a questão dos Correios, que não tem me ajudado nada. Meus tecidos simplesmente não chegam, apesar de terem sido liberados pela alfândega no dia 27 de outubro. Será que dá pra buscar o pacote na Central? Se não fosse pela falta de tempo, já teria ido lá. Com os recessos de final de ano, duvido que meu pacote seja entregue ainda este mês. 

Mudando de assunto, uma novidade aqui de casa é este moço aqui:


Apareceu miando uma noite de terça e nunca mais foi embora. Sempre ouvi falar que gatos são independentes, mas ele é um grude. Aliás, aqui ele estava o tempo todo do lado do trabalho que eu estava fotografando. Tem sido o grande companheiro do meu filho. Um cansa o outro de tanta brincadeira. 

Detalhe: não conseguimos definir um nome para ele. Vamos e voltamos nas opções, mas nenhum agradou totalmente. Alguém aí tem sugestões?

Tenham um ótimo dia!




segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Casa nas Montanhas


Sou apaixonada pelo trabalho do Studio McGee (hoje uma empresa com cerca de 30 empregados, mas que começou com o casal trabalhando em casa). É super normal eu estar olhando fotos de interiores e, quando alguma me chama a atenção, vejo que o trabalho é deles. O estilo tem uma abordagem que gosto muito: mistura estilos, muita luz, camadas de texturas. A seleção de objetos e mobiliário é linda e o resultado é sempre elegante, mas não formal. 




Isso, sim, é uma ilha! SETE lugares!


A vista de quem está na ilha...


... e olhando para o lado oposto do ambiente.


Adoro as texturas daqui. Tem madeira, pedra, couro e nada disso fica pesado em um ambiente tão aberto e iluminado.



Alguns detalhes podem parecer meio rústicos demais, mas é bom esclarecer que a casa não fica na cidade, mas na montanha. 



Pra quem gostou, indico o o site e o Instagram da dupla. Fotos lindas todos os dias!

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Áticos


Olá, pessoal!

Eu adoraria estar escrevendo um post sobre os tecidos que eu comprei e que foram enviados há dois meses, mas eles ainda não chegaram. Aliás, o status do rastreamento não muda desde o dia 10/08. E a greve dos correios realmente não ajudou em nada. Como disse antes, só espero que cheguem, mesmo atrasados, porque meu maior medo é que a esta altura estejam perdidos. 

E hoje, para o meu desespero, também me dei conta que 2017 vai acabar em mais ou menos dois meses e meio. É isso mesmo? Daqui a pouco vou sair na rua e dar de cara com vitrines decoradas para o Natal? Eu com certeza não poderia estar com menos clima de festa, mas não tenho escolha.


Mas indo ao que interessa (e ao tema do post) tenho pesquisado uma série de imagens de usos de áticos. Estou construindo uma casa que vai ter um ático bem espaçoso e estou naquela fase de decidir uma série de detalhes que vão dar o clima que eu quero para o ambiente.

Por enquanto está bem cru, mas tem o pé-direito bem alto e uma janela para a frente da casa, bem no estilo da primeira foto do post, porém o ambiente é mais largo (a vista da janela também vai ficar bem parecida!). Pensei em adicionar caibros de madeira, mas fiquei com medo do ambiente "pesar". Gostei muito dessa peça de madeira única (terça), só acompanhando a linha da cumeeira.


Também adoro a idéia de manter o teto neutro e trabalhar a parede principal, ou então criar um ambiente monocromático, podendo ousar mais nos volumes e texturas.



Outro dia meu filho ainda visitou a obra comigo e se encantou pelo espaço. Disse que, se a casa fosse nossa, ele faria o quarto dele lá em cima; meu marido usaria o espaço como quarto de música; e eu não confessei, mas já tinha imaginado mil possibilidades pra mim também. 




Aqui em Curitiba os áticos são muito, muito comuns. Compreensível, quando se pensa em toda aquela área desperdiçada. Gosto de alguns, mas não de todos... e tenho implicância com a maioria das mansardas (a janela que fica no telhado) que vejo por aí. Tão pesadas e opressivas! Tiram todo o charme do projeto!






Mas, em um bom trabalho, o efeito é quase irresistível! O teto inclinado, a claridade, o espaço livre!








Como fica isolado, tenho a tendência de imaginar espaços mais relaxantes, íntimos. Sendo uma sala, um quarto ou um escritório, eu com certeza teria um espaço de leitura perto da janela. Sem dúvida exploraria muito toda essa iluminação natural!

Posso morar nessa sala agora mesmo?


Tenho a sensação que os tetos inclinados trazem um certo aconchego e casualidade que me atraem bastante. 



E você? Se tivesse esse ambiente extra totalmente disponível, o que faria com ele?

Related Posts with Thumbnails